Home
Fique por dentro das notícias do mundo gospel.

Internautas nos EUA criam GodTube, o ‘YouTube cristão’

Um site de vídeos que prega os ensinamentos cristãos engrossa a disseminação religiosa na internet, em meio a divergências que chegaram a gerar disputas virtuais entre sites.

20070502123140070502_godtubelogo203Com cerca de 4,8 mil vídeos, o GodTube (Broadcast Him!) segue o estilo do popular YouTube, e diz que “utiliza a tecnologia web para conectar cristãos com a finalidade de promover e disseminar o Evangelho no mundo”.

O site exibe clipes enviados por usuários, muitos deles contendo mensagens religiosas. Entre os posts mais vistos e com melhor aprovação dos usuários do GodTube está o clip “Baby Got Book” (“Ela tem a Bíblia”, em tradução livre), paródia de uma conhecida – e mais apimentada – música americana de rap.

O site também abre espaço para vídeos críticos. Sob o título de “Por que o GodTube é estúpido”, o vídeo mais comentado do site mostra um jovem que questiona “por que cristãos precisam de um YouTube só para eles”:

“Usar a palavra ‘cristão’ como adjetivo automaticamente dá uma impressão fictícia de aprovação prévia de Deus a qualquer coisa que você descreve”, argumenta o rapaz.

Em outro vídeo (“Kiss, Off!”), usuários criticam um pregador que chama de “mentiroso” um fã da banda Kiss que passa na rua vestido com as roupas que caracterizam o grupo.

Demonstrando sua desaprovação, um usuário recomenda: “Pregue a verdade, mas faça-o com amor”.

Disputa

O site engrossa uma tendência de levar, para a Internet, a discussão de temas religiosos, que em outros casos já chegou a causar rixas entre sites.

A disputa é às vezes aberta, como entre a enciclopédia virtual Wikipedia e os sites conservadores Conservapedia e Creationwiki.

Na Conservapedia, o longo verbete Wikipedia informa ao usuário uma série de detalhes pouco honrosos da maior enciclopédia online, acusada de censurar artigos e de deliberadamente prover informações pouco confiáveis.

Vídeo no GodTube mostra paródia gospel de rap famoso nos EUA

20070502123236070502_godtubepost203Já a Wikipedia define assim a rival: “Conservapedia é um projeto wiki com o objetivo de construir uma enciclopédia com artigos pró-estadunidenses, socialmente conservadores e com conservadorismo cristão. A enciclopédia foi criada como uma resposta a uma polarização anti-cristã e anti-estadunidense nos artigos da Wikipédia, em especial a anglófona”.

As divergências entre a Wikipedia e a CreationWiki não são menos profundas, com a última acusando a primeira de ser “tendenciosa” e promover “sentimento anti-criacionista”.

Se na Wikipedia o verbete Darwinismo merece 1,5 mil palavras e numerosos hiperlinks, a definição do termo na CreationWiki ocupa menos de um terço do mesmo espaço.

No site cristão, a teoria do cientista Charles Darwin, segundo a qual a espécie humana evoluiu de primatas, é definida como “um sistema de crenças”.

MySpace ‘limpo’

Outra iniciativa religiosa que defende “pureza moral” é o site de relacionamentos DittyTalk, que informa ter 27 mil membros.

O site – cujo nome na língua inglesa exibe forte semelhança fonética com a expressão “dirty talk” (literalmente, “conversa suja”, em que se empregam termos sexuais) – se define como “um espaço seguro” e “limpo” em relação ao seu equivalente MySpace.

O DittyTalk pede que o usuário entre em contato, antes de tudo, com Jesus Cristo – que tem um perfil na comunidade e é adicionado como amigo de cada novo membro que se registra.

Com um detalhe: Jesus Cristo sempre está online.

 

Fonte: http://www.bbc.co.uk/portuguese/

Tags: ,

2 Comentários

  1. Eu ja tenho um conta lá, e coloquei vários videos nossos, os acessos são bons..

  2. gostaria de parabenizar a todos por este brilhante site e por todas as ações que a Jubalit te feito para engrandecer o nome do Senhor Jesus. e quero dizer a vocês que no blog do bancários para Cristo (bancariosparacristo.blogspot.com) estamos sempre divulgando a Jubalit.
    Que Deus esteja sempre presente em nosso meio
    e me coloco sempre a disposição para ajudar no que for possível,
    Márcio Alencar

Faça seu comentário