Home
Fique por dentro das notícias do mundo gospel.

Católicos são 73%, mas apenas um terço vai à missa

catolicos

Pesquisa divugada na quinta-feira (02/Julho) pela Arquidiocese de Maringá mostra que, nos 27 municípios sob sua jurisdição, católicos são 73% e evangélicos, 21%.

Maringá – Católicos e evangélica em oração (da esq. para a dir.): índices se mantêm estáveis, com ligeiro crescimento do número de evangélicos (Foto: Ricardo Lopes) Católicos e evangélica em oração (da esq. para a dir.): índices se mantêm estáveis, com ligeiro crescimento do número de evangélicos
Um terço dos católicos da região de Maringá vai às missas com frequência. A informação consta de uma pesquisa feita pela Arquidiocese de Maringá, divulgada na quinta-feira (2). Das 9.808 pessoas entrevistadas nos 27 municípios de abrangência da arquidiocese, 7.230 afirmaram ser católicas. Outras 2.074 disseram ser evangélicas.
O padre Sidney Fabril, coordenador arquidiocesano da Ação Evangelizadora, diz que a intenção da igreja não é atrair fiéis de outras religiões, e sim fazer com que os católicos participem mais da igreja, já que a pesquisa revelou que a maioria deles sequer vai à missa. O padre considera que a partir do momento que as paróquias se tornarem comunidades acolhedoras e fizerem atendimento personalizado aos fiéis, as pessoas terão vontade de frequentar a igreja.
“Temos um campo muito grande de trabalho para fazer com que as pessoas participem mais.” Segundo o levantamento, 4,33% dos entrevistados disseram que a forma de acolhida da paróquia que frequenta deveria melhorar. O campo de trabalho a que se refere Fabril é o Plano de Ação Evangelizadora. A arquidiocese já traçou as quatro diretrizes que serão prioridade até 2012. A primeira delas é a família.
O padre considera que a igreja Católica precisa organizar grupos para atingir as famílias, já que muitas estão em situação de sofrimento, separação e pobreza. São três projetos em vista: encontro de preparação para o matrimônio, acompanhamento de recém-casados e acolhida dos casais em nova união.
A segunda meta é organizar as paróquias em pequenas comunidades. “Elas têm de passar a ser vistas como um conjunto de comunidades”, diz o padre. A terceira prioridade é a promoção da vida e ação social. A arquidiocese planeja instalar a Pastoral da Saúde e trabalhar com prevenção de doenças. “Nós atendemos os enfermos, mas não trabalhamos para que as pessoas não fiquem doentes”, aponta.
Outro projeto refere-se à recuperação de nascentes, rios e matas ciliares. “Queremos salvar o maior número possível de nascentes porque a água é um patrimônio que está se perdendo.” A quarta e última diretriz é a juventude. A igreja Católica quer acolher os jovens e valorizar sua participação. “Vamos formar líderes jovens que falem a linguagem deles para que possamos evangelizá-los.”
O arcebispo dom Anuar Battisti diz que mudanças na forma de acolhida dos fiéis, celebrações mais participativas e tratamento personalizado podem levar mais católicos às missas e “tocar o coração das pessoas”.

Evangélicos
Na região, o número de evangélicos segue em crescimento, enquanto o número de católicos está estável. A pesquisa feita pela Arquidiocese de Maringá mostra que os católicos são 73,72% na região, enquanto os evangélicos são 21,15%.
Comparados aos dados do IBGE, de 2000, os números apresentados pela igreja mostram crescimento de 2,41 pontos porcentuais de evangélicos e ainda a queda em 2,03 pontos porcentuais de pessoas que se declararam sem religião. Dom Anuar Batistti diz que o êxodo não é um fenômeno exclusivo da igreja Católica. “As pessoas migram de uma religião para outra em busca do milagre, seja ele da cura ou de problemas financeiros.”
O padre Sidney Fabril diz que a acolhida das igrejas evangélicas é um aspecto forte frente à igreja Católica, mas ele deixa claro que não há disputa de fiéis. “Não queremos saber disso porque isso não é nem cristão e nem humano.”
O presidente da Ordem dos Pastores Evangélicos de Maringá, Valdinei Pereira, atribui o crescimento à nova forma de organização das igrejas evangélicas. “Antes, elas eram espalhadas e cada uma se preocupava em expor sua doutrina; hoje, existe união”, conta o pastor. “A unidade levou as pessoas a verem que o Evangelho é muito mais que uma placa com nome de igreja.”

Fonte: Diário do Norte do Paraná/NC

Tags: , ,

Faça seu comentário